DEFESA PÚBLICA DE DISSERTAÇÃO DA GREICE KELLY NASCIMENTO SANTOS COSTA

Data da Publicação: 19/11/2021

CONVITE DE DEFESA PÚBLICA DE DISSERTAÇÃO


PROGRAMA DE POS-GRADUACAO EM LETRAS

CONVITE DE DEFESA PÚBLICA DE DISSERTAÇÃO DA GREICE KELLY NASCIMENTO SANTOS COSTA

 

Convidamos toda a comunidade acadêmica e demais interessados para a defesa de dissertação da mestranda GREICE KELLY NASCIMENTO SANTOS COSTA do Programa de Pós-Graduação Mestrado Acadêmico em Letras da Universidade Federal de Rondônia (PPGML/UNIR).

DISCENTE: GREICE KELLY NASCIMENTO SANTOS COSTA
DATA: 07/12/2021
HORA: 08:00
LOCAL: 

TÍTULO: 

O SUJEITO-ALUNO-SURDO E OS MODOS DE INDIVIDUAÇÃO PELO ESTADO NO ENEM

RESUMO:

Esta pesquisa tomou como objeto de pesquisa o Exame nacional de ensino Médio – Enem, como também o Sujeito Surdo e o modo de individuação pelo Estado, na perspectiva teórica da Análise de Discurso fundada nos trabalhos de Michel Pêcheux, na França e Eni Orlandi, no Brasil. Em razão dos pontos de contato e articulação com a AD tomaremos também a História das Ideias Linguísticas – HIL, de Sylvain Auroux, Eni Orlandi e equipe, para compreendermos o processo de gramatização da Língua brasileira de sinais – Libras, como também para refletirmos sobre o trabalho do intérprete de Libras e efeitos de sentidos produzidos na aplicação da prova do Enem para o sujeito Surdo, principalmente a redação. Assim, para compreendermos o funcionamento das provas do Enem e os efeitos de sentidos produzidos pelo sujeito-aluno-surdo fizemos o recorte dos textos ditos motivadores para que os alunos escrevam as redações de acordo com o discurso de controle do INEP/Enem. Também selecionamos duas redações escritas pelos sujeitos-alunos-surdos, do ano de 2019, para analisarmos, por meio dos dispositivos da Análise de Discurso. O nosso desafio com a análise das questões do Enem é trazer à tona que discurso permeia essas questões, suas evidências, seus equívocos, opacidades e efeitos de sentido. Esta análise nos conduziu a pensar na relação de sentidos do sujeito-aluno-surdo com os textos do Enem visto que há entre ele (o sujeito-aluno-surdo) e os textos, o intérprete de Libras. Obsevamos, nesse aspecto, que seja na prova em que o intérprete apenas interpreta o siginficado das palavras da Língua Portuguesa ou na videoprova em que a prova está em Libras, o seu gesto de leitura e interpretação perpassa, de qualquer maneira, sempre por outros gestos. Essa foi a principal razão pela escolha do Enem como objeto dessa pesquisa, ou seja, para que os pesquisadores doravante possam refletir sobre a contradição do discurso do Estado em relação ao Sujeito Surdo, pois ao mesmo tempo que legitima a Libras através da Lei e Decreto de Libras a mesma Lei impõe ao Sujeito Surdo a Língua Portuguesa escrita. Por fim, temos neste exame de avaliação a Libras como língua fluida que não se deixa imobilizar nas redes dos sistemas e das fórmulas e a Língua Portuguesa escrita como imaginária fixada com suas sistematizações. Orlandi (2009). Isto nos leva a pensar sobre os efeitos de sentidos de línguas distintas colocadas no mesmo espaço em um Exame nacional de avaliação inscrito em uma política que individua o sujeito pelo Estado.

 

PALAVRAS-CHAVE:

Enem. Estado. Individuação. Libras. Sujeito-aluno-surdo.

PÁGINAS: 81
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Teoria e Análise Lingüística

MEMBROS DA BANCA:
Prof. Dr.ELCIO ALOISIO FRAGOSO - Presidente (UNIR)
Profa. Dra.Angela Corrêa Ferreira Baalbaki - Externo à Instituição (UERJ)
Profa. Dra.MARILIA LIMA PIMENTEL COTINGUIBA - Interno - (UNIR)
Profa. Dra.VERLI FÁTIMA PETRI DA SILVEIRA - Externo à Instituição (UFSM)